No Ataque


2 Comentários

América não é ameaçado e conquista, até com certa tranquilidade, o título da Copa RN

O América venceu o Coríntians de 1 a 0 e se sagrou campeão da Copa Rio Grande do Norte, gol de Tiago Adan que, enfim, desencantou.

E venceu sem passar maiores sustos, mas também sem fazer uma grande atuação.

No primeiro tempo, o time rubro veio para campo comduas linhas de três e duas linhas de dois.

Não tinnha jogadas pelas alas. Na direita, sem Norberto, Fabinho entrou com a camisa 2, mas quase nunca foi ala.

Até porque não tinha com quem trabalhar, e por ali já estava o Jorge Santos que, ao contrário do que deveria, atrapalhava a realização das jogadas de fundo.

Do lado esquerdo, Netinho, preso, escolheu um pedaço de campo e fez desse espaço sua área de atuação, se valendo do seu bom passe, da moral, e da bola parada.

Nunca vi uma bola tão fora um treinador dar essa função ao Netinho.

E por essas e outras, o América da frente, alimentando por Daniel e Cascata, quase só por eles, se bem que Fabinho e Netinho também criavam, pouca coisa fez.

Testemunhei sim tentativas de jogadas de gol, mas nenhuma grande chance de gol. Nem mesmo no lance que originou o gol de Tiago Adan pode se dizer que foi trabalhado.

Não. Ele pegou a bola, ao invés de passar para companheiro melhor colocados, driblou para fora, para sua perna que é não é a boa, e bateu. A bola quicou, enganou Escorpião, e entrou.

Algumas estocadas do Coríntians. Dida na fita, e só isso.

Só isso no primeiro tempo.

No segundo tempo, apenas uma mudança tática. Jorge Santos estava mesmo jogando aberto na direita. Mas Índio Oliveira continuava, jogando bem, mas sem função definida.

O América não passava sustos, esperava, desarmava o Galo com uma certa facilidade, e saía em contra-golpes bem feitos, mas que não davam em nada.

De novo, ficou evidente a pouca qualidade do ataque rubro.

Chandes desperdiçadas. A maior delas por intermédio de Índio Oliveira (É bem capaz de aparecer no Fantástico…coisa ruim), Tiago Adan e Jorge Santos poderiam ter construído uma goleada.

Depois entraram Taiberson (Índio), Alysson para Jorge Santos e Renatinho para Netinho. Apenas Renatinho realizou algo produtivo.

E olha que valeu pelo tempo que o Renatinho passou fora de jogo.

O Galo pecou na escalação. O Neto Maradona pisou na bola ao sacar Leléu e Índio Caicoense. Ficou sem sua melhor jogada.

Não sei como não se enxerga o óbvio.

E depois ele perdeu ainda jogadores importantes como Ebinho. Mas entrou sem forças de ataque, sem meia de ligação, e três volantes.

Como virar um placar que lhe é adverso de 2 a 0 com três volantes e nenhum meia de ligação, ou sem passagem de alas?

Não entendi o Neto Maradona.

Talvez por isso não tenha incomodado ou ameaçado, em nenhum momento, o título do América que parece mesmo ter sido ganho já em Caicó.

E foi assim a segunda partida da decisão da Copa RN. Um jogo bom, mas sem ser espetacular.

Anúncios


1 comentário

Sobre valorização das categorias de base

Tomara que mão apareçam alguns dizendo que quero polemizar, ou derrubar o técnico Roberto Fernandes. Não é minha intenção.

Mas ouvi uma entrevista do treinador do América após o jogo e escrevo sobre ela.

Ele falou sobre revelações e aproveitamento das bases.

O treinador desafiou nos últimos tempos quem aproveitou mais garotos que ele, e relacionou.

Roberto exagera, de novo. Revelar valores não é só colocar para jogar, deixar no time, fazê-lo entrar de vez em quando, não!

Aproveitar valores é fazê-los crescer no time e dar oportunidade de continuidade.

Fazer como Leandro Campos fez com João Paulo. Chegou para o atacante e disse: “você é titular do time, fique á vontade, jogue tranquilo, que ninguém vai tirá-lo”, isso é efetivar.

Roberto Fernandes quando fala de Bruno, de Índio Oliveira tem sempre um “mas”, um “porém”, isso se chama tira confiança.

E acho que jogadores como Felipe Macena, Gláucio e Bruno merecem muito mais atenção e oportunidades de que jogadores que vêm de fora e que não têm identidade nenhuma com o clube.

É o que penso.


Deixe um comentário

O esquema que o América adotou na final

Não sei como Roberto Fernandes montou o América para enfrentar o Coríntians neste domingo (31), digo o que vi.

O time atuou todo o primeiro tempo com duas linhas de três – Ricardo Baiano, Índio e Edson Rocha/Fabinho, Daniel e Netinho.

E duas linhas de dois – Índio Oliveira e Cascata/Tiago Adan e Jorge Santos

E muitas vezes o Jorge Santos atrapalhando pelo meio, ou fazendo a função de lateral, acompanhando e fechando a porta à passagem de Ito Cruz.

O treinador rubro disse que mandou o time utilizar o esquema 4-3-3, com Cascata alimentando as jogadas com Jorge Santos aberto na direita e Índio Oliveira na esquerda; e com o Tiago Adan centralizado.

Alguém viu isso?

Eu, não.

E acho que foi o que faltou para o América ser mais intenso, mais vertical e ter feito mais gols.


3 Comentários

Bruno fora da relação; uma das maiores injustiças que eu vi nos últimos tempos…

O América venceu, tudo bem, foi campeão. Garantiu vaga na Copa do Brasil de 2014 e na Copa do Nordeste, tudo se encaixa.

Mas para, jornalista esportivo, nada, nada justifica a opção por Bruno fora do time titular. E mais absurdo ainda: Bruno fora da relação.

Fazia muito tempo, mas muito tempo mesmo que eu não via um treinador “dar uma bola tão fora” como essa.

Como já disse durante a transmissão da partida, e repito: Bruno na reserva neste jogo decisivo para mim já seria injusto, incompreensível, inexplicável, agora, imagine, o menino fora da relação.

Netinho fazendo uma função que não gosta, e pela metade.

Futebol tem coisas…

Os treinadores desse meu Brasil…

Robeto Fernandes, claro, não me deve explicações, mas se ele passasse dois dias falando e justificando ainda não me convenceria.

Ninguém, ninguém pode se achar o máximo, inalcançável e sabe tudo no futebol.

O futebol, repito o que gosto de colocar, o futebol, pune. Cedo ou tarde.


Deixe um comentário

A Creche Escola Katia Garcia também foi demolida

katiagarcia_09Amigo Edmo,
 
Parabéns pelo texto referente ao Palácio dos Esportes. Fico triste em ver estas imagens. Localizei no meu arquivo, Uma matéria feita por você e Rogerio Torquato no Portal nominuto.com  referente ao abandono do ginásio Humberto Nesi. O video, bem produzido, no dia 29/03/11/. Infelizmnte, o ginásio foi demolido. Você volta a cobrar dos governantes providências urgentes para resolver os problemas do Palácio dos Esportes. Será que os poderosos resolvem? Estou preocupado, a nova moda é demolir. Perdemos, o Estádio Machadão, Ginásio Humberto Nesi, Kartodrómo Geraldo Melo e para completar, a Creche Escola Kátia Garcia  localizada no Centro Administrativo. Um absurdo.

Acima, foto  da Creche.

Arquivo pessoal: Ribamar Cavalcante.
  
Atenciosamente,
Ribamar Cavalcante

Nota do Blog

Meu amigo Riba, obrigado. E você tocou fundo no meu coração. Sem falar em Machadão ou Machadinho, saudades e dores, você citou a creche escola Kátia Garcia.

Nem te conto: meu netinho Felipe Eduardo, hoje no Auxiliadora de Natal, estudava lá, e adorava aquela escolinha.

E sempre que passávemos ali falava dela com muito carinho.

Depois, com muita tristeza, meu bichinho, quando a creceh escola foi derrubada.

Ele sempre que passava lamentava. Uma pena. Uma vergonha que nossos governantes, com raríssimas exceções, não estão nem aí para nada, absolutamente nada.

Educação, segurança, saúde, lazer, esporte para eles, acredito, não têm significado nenhum.

Uma vergonha!


1 comentário

Daniel foi, de novo, o nome do jogo, e apronta tremenda “dor de cabeça” para o treinador

Uma dor de cabeça para Roberto Fernandes.

Como vai ser?

Quem vai jogar?

Daniel, Márcio Passos, Ricardo Baiano e Fabinho.

Só dois ocupam o espaço de campo.

Ricardo Baiano “desse a chibata”, é garra é suor e sangue; Márcio Passos, o equlíbrio,  a regularidade; Fabinho é o craque do time, o que fazer?

E Daniel, esse monstro que vem ficando mais “feio” a cada jogo, onde fica?

Tem jogado demais o camisa oito do América e certamente não deve sair do time.

Na decisão de hoje, no meu entendimento, ele foi o craque do jogo. Seguido de perto por Cascata e Edson Rocha.

E esse “problemão” é todo para o treinador resolver.


2 Comentários

Papeline deixa o América e volta para a Luverdense

Sérgio Papeline deixa o América campeão.

Estava feliz o superintendente de futebol.

Ele volta para o Luverdense. Mas disse que pretende morar aqui quando se aposentar. Será bem-vindo.

Papeline é um trabalhador discreto, que não fala muito e conhece seu ofício. E também não tenta derrubar, e nem pisar ninguém.

Pena que um Papeline vá embora, e por aqui permaneçam outras figuras de comportamento bem diverso do dele.

Mas, é assim o futebol.